Análise: Demolidor (2ª temporada – 2015)

A segunda temporada de Demolidor começa no mesmo nível de sua temporada anterior: clima pesado, sombrio, brigas, sangue e tiros. Muitos comentam e chegam a criticar que a Marvel tem um tom mais leve nos cinemas e em algumas séries dela. Algumas, pois desde a parceria da gigante Netflix com a Marvel, as séries desta saem com faixa etária para maiores de 18 anos com personagens problemáticos e muito bem interpretados pelos seus atores.

Os mesmos atores da primeira temporada retornam para seus respectivos personagens na segunda, mas as grandes atrações ficam por conta dos estreantes Frank Castle, o Justiceiro (Jon Bernthal) e Elektra Natchios (Elodie Yung). O primeiro dando as caras desde o início com uma trama muito bem montada no qual o mostra primeiramente como um vilão que Matt Murdock / Demolidor (Charlie Cox) o enfrenta diretamente, o que na verdade demonstra ser mais um conflito de ideais: o matar bandidos e malfeitores ou levá-los para a prisão.

 

Confesso que a aparência visual de Jon Bernthal não me agradou quando ele foi anunciado, até mesmo porque quem lê HQs sabe muito bem que o Justiceiro dos quadrinhos tem uma aparência de uns 40 e poucos anos, um ex militar já experiente que confronta agressivamente todos vilões que cruzam seu caminho. Jon pode ter uma certa idade, mas não se parece 100% com o Frank dos quadrinhos, mas sobre esse fato eu simplesmente mordi minha língua. Jon demonstra que foi uma ótima escolha: interpreta um Justiceiro ainda no início de sua jornada (assim como foi com o Demolidor na primeira temporada e Wilson Fisk) já cheio de amarguras e sedento por vingança, usando das mais apuradas técnicas militares para chegar ao seu objetivo, seja com armas de fogo, armas brancas, nos socos e chutes ou até mesmo (acredite!) com ganchos de açougueiro! Seu papel como “vilão” aos poucos vai diminuindo, embora para as autoridades ele continua uma ameaça, nos episódios finais um certo companheirismo chega a acontecer com ele e com o “Vermelho” (apelido que ele dá ao Demolidor). Seu personagem complexo faz você refletir se ele se trata mesmo de um vilão conforme as autoridades e imprensa divulga ou é um herói que o povo precisa para fazer o trabalho “sujo” que outros não teriam coragem de fazer.

 

Elektra, a famosa assassina e ex de Matt, chega um pouco na metade da temporada. Com sua história envolvida com a de Stick (Scott Glenn), os ninjas da Mão / Tentáculo, e claro com o próprio Matt, é interpretada de forma coerente por Elodie e suas lutas são também letais, assim como Frank, ela não segue o código de honra de Matt, executando todos seus inimigos. Um pouco de irritante foi a forma sutil como a apresentaram com um ar de “patricinha mimada”, mas isso logo é apagado aos poucos e mostrando que a Elektra tem muito a apresentar.

A série tem outras participações especiais de outros personagens (uma em especial surpreendente e magistral assim como foi na primeira temporada!) e faz diversas referências ao Universo Cinematográfico Marvel (que como sabemos, engloba tanto os filmes E as séries) e aos quadrinhos, como: Jessica Jones (a própria personagem citada e outra personagem de sua série aparecendo), Luke Cage (ele também foi citado), Punho de Ferro, Cavaleiro da Lua, Agents of Shield, Agent Carter, Homem de Ferro 2, Vingadores…enfim, o UCM é imenso e tem MUITA coisa para ser adaptada!

 

Óbvio que o protagonista também é novamente muito bem apresentado, assim como seus amigos próximos. Matt demonstra um certo cansaço e de certa forma um fardo que ele aceitou carregar que é proteger sua cidade, seu bairro e as pessoas indefesas de qualquer ameaça que possa surgir. Acredita piamente em seus conceitos de honra e no sistema de leis humanas, embora num certo ponto o vê claramente que as trevas estão em todos os lugares infiltrando nos fracos corações das pessoas, sendo manipuladas por outras. Ele funciona como uma lâmpada em meio a tão obscura Hell’s Kitchen tentando sempre andar nos caminhos dos heróis tentando não quebrar seus próprios conceitos, embora o amor aos seus companheiros fale mais alto.

Uma ótima série para você que é fã da Marvel, fã de quadrinhos e super-heróis ou simplesmente que ver uma pancadaria comendo solta. Vale a pena ser assistida, NÃO é necessário você acompanhar as outras séries e/ou filmes da Marvel para você compreender (lógico que se você for acompanhar vai ter bem mais informações e esclarecimentos) necessitando apenas de sua temporada anterior para o entendimento.

Esperemos ansiosos pela terceira temporada, para a próxima temporada de Jessica Jones e as estreias de Luke Cage e Punho de Ferro!

Pontos positivos:

  • Ótimas cenas de luta
  • Protagonista expcional
  • O Justiceiro rouba a cena quando aparece
  • Várias pontas que podem ser usadas com futuras histórias

Pontos negativos:

  • História do Tentáculo não foi muito bem explicada

Nota Final: 9,5 / 10

About the author

NerdProfeta

Cristão, marvete, nintendista, fã do Foo Fighters e rpgista.