O Futuro do Nintendo Switch

Não vou negar. E nunca negarei isso. A Nintendo sempre foi, e provavelmente será, minha empresa favorita na indústria dos jogos eletrônicos. Antigamente, na época do Super Nintendo, ela reinava de forma gloriosa. No entanto, com o passar dos anos, quando outras empresas perceberam o potencial dessa nova indústria e ingressaram nela, a Nintendo encontrou rivais poderosos que, atualmente, encontram-se no trono que um dia fora seu.

 

O que levou a Nintendo a perder o trono? Muitos elementos, que foram se acumulando com os anos, como algumas péssimas decisões — como aconteceu com o Wii U, em seu sistema e na abordagem do marketing — e mudança do público-alvo — na época, a indústria dos jogos eletrônicos era bem restrita, porém, atualmente, ela é aberta para todos e, por isso, acaba caindo nas graças da massa; que é mais propensa a seguir tendências ditadas pela mídia e afins.

 

Porém, o que levou a Sony a capturar o trono por definitivo, foi o fracasso do Wii U. Com um sistema complicado e um público limitado, a maioria das empresas que desenvolve jogos de multiplataforma abandonou o console. O marketing era horrível, tendo como foco o público infantil e casual, e quase não se ouvia falar do videogame. E a Nintendo acovardou, decidindo se focar no Nintendo 3DS e deixando o Wii U morrer aos poucos, numa agonia silenciosa. Isso tudo foi um golpe para os fãs, para a mídia e para as produtoras.

A Nintendo perdeu muita credibilidade com o Wii U. A verdade é que muitos acreditavam que esse fracasso representava o início do fim da Nintendo. Ah, como estavam errados…

 

No ano passado, a Nintendo finalmente anunciou a morte oficial do Wii U e o nascimento do Nintendo Switch. Como sempre, a Nintendo apresentou uma nova tendência, revelando o primeiro console híbrido do mundo, que funciona tanto como console de mesa, tanto como portátil. Foi um estouro. De alegria e críticas. Muita empolgação e muitas dúvidas.

 

E, em Março desse ano, a Nintendo finalmente lançou o Nintendo Switch. Vou dar um pequeno resumo de como as coisas estão indo até agora para o console, com apenas oito meses de vida.

 

Vendeu metade que o Wii U vendeu em toda sua vida útil. Começou a reconquistar produtoras de grande porte, como Bethesda e Square Enix. Lidera a venda, em geral e na maioria dos meses, de consoles em diversos países, incluindo alguns de grande importância, como Japão e EUA. Está cada vez mais difícil encontrar um Nintendo Switch nas lojas, devido buscas acima da média por parte dos consumidores. Consolidou parceria de indies com a Sony, recentemente.

Acho que, depois disso, não preciso falar muito, né?

 

O Nintendo Switch está sendo um sucesso, até o momento. Sua proposta irá criar uma nova tendência, que é a portabilidade e praticidade, mas há quem diga que eles se anteciparam demais. O hardware é mais fraco em comparação com os concorrentes, o que pode ocasionar em problemas na hora das grandes produtoras portarem seus jogos para o console — vão ter que passar por um processo de downgrade e otimização. O armazenamento interno do videogame é outro problema recorrente, pois utiliza uma tecnologia atual, que ainda está bem cara, deixando o console pouco atraente para muitos consumidores. E, por fim, o grande Ego da Nintendo, que trouxe muitos problemas para ela no passado, podendo trazer novamente.

Vamos nos apegar aos fatos. A Nintendo mudou, nota-se claramente. Está procurando espaço na parte mais lucrativa na indústria dos jogos eletrônicos. Está sendo humilde e admite a culpa no fracasso do Wii U. Está começando a escutar seus consumidores. E o Nintendo Switch está vendendo muito bem, assim como está fazendo muito sucesso com o público e crítica.

 

Se a Nintendo manter o ritmo, procurar melhorar ainda mais o console, trazendo novas edições mais potentes e facilitando o armazenamento, ela poderá retomar o trono que um dia lhe pertenceu. E eu, como um grande admirador dessa empresa, espero que isso aconteça!

About the author

Nerd Esotérico

Sou minha essência, não sou o que digo que sou ou o que você diz que sou. Em minha mente egocêntrica, amo escrever, jogar videogame, ler, degustar filmes e boas comidas. Nada mais. Nada menos.