O Terror e Seus Subgêneros

Comecei a falar sobre o gênero do terror na indústria cinematográfica e, para a felicidade de alguns e infelicidade de outros, não irei parar tão cedo. Além de amar o terror, verdadeira e profundamente, ele trás consigo uma pauta gigantesca para ser discutida.

 

Seria inocência de qualquer um querer colocar todos os filmes de terror numa mesma categoria, sem grandes especificações, quando, na realidade, existem divisões bem claras dentro desse gênero. Imagine falar sobre Poltergeist como se fosse o mesmo tipo de filme que A Hora do Pesadelo é. Não faz sentido. É exatamente por isso, e para facilitar tudo, que existem os subgêneros, não apenas no terror cinematográfico, mas também em todos os gêneros existentes nessa indústria.

 

Neste artigo, iremos abordar os subgêneros mais populares e marcantes do terror! Então, sem mais delongas, vamos começar!

 

1 – Sobrenatural

Poltergeist. É o primeiro nome que surge na minha cabeça quando penso nesse subgênero. Todos conhecem esse filme. E não estou falando da refilmagem, que não manteve a qualidade que as produções anteriores, estou do falando do grande clássico! Não existe representante melhor!

 

Esse subgênero é definido pela presença de uma força sobrenatural no filme, seja hostil, seja pacífica. Nos blockbusters, como Invocação do Mal, normalmente nos deparamos com demônios, entidades misteriosas, fantasmas amargurados e afins. E eles querem, a todo custo, destruir os humanos. O motivo? Nem sempre precisa ter. Porém, nos filmes mais caprichados, essa relação é mais sofisticada, com motivações, ou há uma razão maior para aquilo tudo, como acontece em Os Outros.

 

É um subgênero que é popular. Sempre foi e sempre será, pois, que a verdade seja dita, o sobrenatural sempre irá fascinar o ser humano.

 

2 – Teen

Jovens estão no período de férias. Eles viajam, despreocupados, para o interior, procurando diversão. Encontram um lugar maravilhoso. Divertem-se por um tempo. Alguns se amam, outros simplesmente se distraem. E, então, aparece alguém para estragar a festa. Pode ser um homem. Pode ser um monstro. Pode ser um demônio. Não importa. O que é importante, no final das contas, é que essa história terá mortes e sangue, muito sangue.

 

Aí está o resumo de qualquer filme desse subgênero. Não há segredo. Sabemos que a maioria vai morrer. Sabemos que a mocinha vai sobreviver junto com o mocinho — aqueles de boa índole, geralmente. E sabemos que não vai impressionar, com raras exceções, claro. Um filme que se destaca é o fantástico A Morte do Demônio.

 

3 – Slasher

Um homem que teve uma infância conturbada foge do hospício ansioso por sangue. Um assassino que morre e retorna no corpo de um boneco. Um homem que morre queimado e retorna para se vingar através dos sonhos das pessoas. Um idoso que entende que há algo de errado com a sociedade e decide ensiná-la da forma mais difícil. Em filmes assim, encontramos um assassino icônico, que fica marcado pela complexidade de sua história e seus motivos.

 

Esse subgênero carrega filmes maravilhosos, como Halloween – A Noite do Terror e Brinquedo Assassino. Os assassinos geralmente usam armas cortantes — o que dá nome ao subgênero! —, como facas e machados, mas isso não é regra. Hoje em dia, encontramos maníacos e demônios que carregam martelos, perfuradores de gelo e muitos outros tipos de armas!

 

Esse subgênero foi muito popular entre as décadas de 80 e 90, mas, atualmente, não está em voga na indústria cinematográfica. E quero que isso mude, pois, apesar de toda a saturação do gênero do terror, filmes desse tipo podem ser bem assustadores com uma boa direção!

 

4 – Gore

Tripas. Sangue. Mortes. Mais tripas. Gritos. Dor, muita dor. Mais e mais tripas. Lágrimas. Sorrisos maliciosos. E tripas!

 

O subgênero do gore é para pessoas fortes. Considerado, pela crítica em geral, uma forma grosseira e deselegante de retratar uma história, esses filmes apelam para a violência, chegando, às vezes, ao absurdo. Podemos destacar três filmes que chocam de verdade: Holocausto Canibal, Centopéia Humana e Nekromantik.

 

O primeiro que citei, Holocausto Canibal, é tão pesado que o diretor teve que se apresentar na polícia de seu país com os atores para provar que eles não foram mortos. Além disso, os animais que morrem durante o filme são reais! Isso mesmo que você está pensando! Estavam matando os animais na filmagem! Algo terrível, certamente, mas adorado por muitas e muitas pessoas.

 

5 – Found Footage

Bruxa de Blair iniciou, por definitivo, esse subgênero. E, bem depois disso, Atividade Paranormal o popularizou.

 

Found footage é outro estilo de filme que está em voga, atualmente, principalmente no cinema independente. Acontece que o custo para fazer esse tipo de filme geralmente é baixo, o que o torna muito atrativo para cineastas amadores ou iniciantes.

 

Esse estilo é bem flexível, sendo possível abordar todos os tipos de histórias, desde situações sobrenaturais e com monstros, até o fim do mundo e maníacos que brincam com suas vítimas com câmeras amadoras.

 

6 – Thriller

Uma mulher tomando banho. É possível ver uma silhueta se aproximando dela, por detrás da cortina do banheiro, mas ela não percebe. E, então, com uma música eletrizante, alguém aparece de súbito e esfaqueia a mulher inúmeras vezes.

 

Essa é a clássica cena do banheiro de Psicose, um grande, se não o maior, representante desse subgênero. Ele é marcado pelo mistério, pelo suspense, pelo medo que é criado aos poucos. É uma experiência única assistir um thriller de qualidade, como Silêncio dos Inocentes, por exemplo.

 

Um dos fatos mais interessantes desse subgênero é que ele está presente em outros gêneros do cinema, como ação e suspense.

 

7 – Trash

 

Já pensou em rir vendo um filme de terror? Bem, isso é possível, basta assistir Sharknado e O Ataque dos Tomates Assassinos, onde vemos tubarões voadores e tomates assassinos matando muita gente! Sério, existem esses filmes e eles são de terror. Há sangue, há morte, há gritos. E muita coisa tosca!

 

Mas, essa descontração, junto com cenas que podem chocar, cria uma combinação muito interessante. Diverte, distrai e impressiona. O absurdo da situação, inclusive, traz consigo muitas reflexões, às vezes. Re-Animator é um desses filmes, que, por sinal, foi praticamente o criador desse subgênero. Está certo brincar com a genética humana? Há limite para aquilo que fazemos dentro de um laboratório científico? Podemos brincar de Deus?

 

A violência escrachada, tosca e absurda do trash é lindo. E é um subgênero que não pode, em hipótese alguma, sumir do gênero do terror.

 

8 – Psicológico

Agora, sim, entramos no meu subgênero favorito! Eraserhead, A Metade Negra, Donnie Darko, Os Inocentes (1961), O Bebê de Rosemary, Suspiria, O Babadook, o Iluminado e o atual It – A Coisa. São muitos e muitos filmes que poderia citar aqui, todos maravilhosos, ilustres, verdadeiras obras-primas.

 

Parece que esse subgênero é o lar das musas do terror. Os filmes retratam situações adversas, inesperadas, tudo num ponto de vista pessoal dos personagens principal. E, assim, a imersão é maior. O telespectador mergulha fundo na história e, muitas vezes, começa a fazer parte daquele mundo.

 

Claro, existem filmes que não são bons, que apelam para o clichê, como o atual O Quarto dos Esquecidos. Mas, em comparação com outros subgêneros, que caem facilmente no clichê, continuo afirmando que o terror psicológico sempre será uma área de ouro no gênero do terror.

About the author

Nerd Esotérico

Sou minha essência, não sou o que digo que sou ou o que você diz que sou. Em minha mente egocêntrica, amo escrever, jogar videogame, ler, degustar filmes e boas comidas. Nada mais. Nada menos.

  • Roberto Carlos da Silva

    Sempre postam que Holocausto “matou animais”! Acho errado isso e explico: a equipe foi para o interior do Amazonas e filmou índios matando caças. Sim, lá na mata índios não têm um açougue pra comprar carne, caçam e matam. Então o filme usou essas cenas para criar todo um clima de canibais bárbaros…

    • Tá certo! Lá eles tem que matar para sobreviver, vivem da caça e do plantio! Eu ainda não vi esse clássico, mas já deu para perceber o quão forte foi na época e ainda aparenta ser forte nos dias atuais!

      • Roberto Carlos da Silva

        Pois eu assisti e assiti num cinema do Brasil! Há uma lenda de que esse filme nem chegou a passar por aqui. Mentira! Eu assisti no cinema. Mas tão logo viram do que se tratava, cancelaram as exibições.

    • Nerd Esotérico

      Obrigado pela leitura, Roberto!

      Existe um tipo de filme que se chama shockmentary, que é basicamente um documentário com doses cruas da realidade, como acompanhar uma tribo africana em seu cotidiano, incluindo suas caças e rituais de sangue. Se Holocausto Canibal não fosse um filme encenado, com roteiro definido e afins, até poderia concordar com isso. Mas não é o caso. O próprio diretor se arrependeu de usar animais reais nas cenas, não apenas pela repercussão, mas pela ética e mal que fez ao elenco. Se você viu, lembra-se bem da cena da tartaruga e como os atores a desmembraram. Perry Pirkanen confirmou depois que caiu aos prantos depois da cena, sem falar na reação dos outros atores ao ver aquilo. Lembra-se também da cena do macaco? Foi filmado duas vezes, ou seja, dois macacos foram mortos.

      Veja bem, não estou negando a realidade, isso realmente acontece na caça e etc. Mas fazer isso para deixar a atmosfera do filme mais real é extremamente antiético. Existem bons filmes que chocam que não usam animais reais, como Gummo. Logo, não há a necessidade disso. Morte na arte é algo que deveríamos repudiar sempre.

      Mas, apesar disso tudo, esse filme é ótimo, sendo uma grande crítica sobre a civilização atual da humanidade e, também, diretamente para a mídia italiana da década de 70 e 80.

      Agradeço imensamente o comentário!

    • Olá, Roberto, desculpe pela demora para responder! Problemas no Disqus, hahaha.

      Existe um tipo de filme que se chama shockmentary, que é basicamente um documentário com doses cruas da realidade, como acompanhar uma tribo africana em seu cotidiano, incluindo suas caças e rituais de sangue. Se Holocausto Canibal não fosse um filme encenado, com roteiro definido e afins, até poderia concordar com isso. Mas não é o caso. O próprio diretor se arrependeu de usar animais reais nas cenas, não apenas pela repercussão, mas pela ética e mal que fez ao elenco. Se você viu, lembra-se bem da cena da tartaruga e como os atores a desmembraram. Perry Pirkanen confirmou depois que caiu aos prantos depois da cena, sem falar na reação dos outros atores ao ver aquilo. Lembra-se também da cena do macaco? Foi filmado duas vezes, ou seja, dois macacos foram mortos.

      Veja bem, não estou negando a realidade, isso realmente acontece na caça e etc. Mas fazer isso para deixar a atmosfera do filme mais real é extremamente antiético. Existem bons filmes que chocam que não usam animais reais, como Gummo. Logo, não há a necessidade disso. Morte na arte é algo que deveríamos repudiar sempre.

      Mas, apesar disso tudo, esse filme é ótimo, sendo uma grande crítica sobre a civilização atual da humanidade e, também, diretamente para a mídia italiana da década de 70 e 80.

      Agradeço imensamente o comentário!

      NERD ESOTÉRICO

      https://uploads.disquscdn.com/images/2b997a5171404b853abd02fdc90f0f1418c0c47ca53edb1b25b281a16aa22bb7.png

      • Roberto Carlos da Silva

        “Mas fazer isso para deixar a atmosfera do filme mais real é extremamente antiético.”. Veja vem, é a TUA opinião. Eu a respeito, mas não concordo com ela. Para mim, filmes viscerais acabam sendo mais viscerais na medida em que usam cenários reais. Claro que isso não pode chegar ao cometimento de crimes. Vou dar um exemplo: A Serbian Film. O bebê é de borracha, vê-se isso nitidamente. Graças a Deus, né? Mas o filme Raw, teve cenas reais de técnicas veterinárias… Vai se negar que isso existe? Vai se montar uma réplica daquilo que existe no real e não é crime? Pra mim não faz sentido. Pink Flamingos… O que seria desse filme com cenas apenas “baseadas” em abominações reais?

        • Tranquilo, Roberto, pois também não concordo com sua opinião, nem um pouco.

          Muito obrigado pela leitura, mais uma vez!

        • Tranquilo, Roberto, pois também não concordo com sua opinião, nem um pouco.

          Muito obrigado pela leitura, mais uma vez!

          NERD ESOTÉRICO

  • Ivo

    Esse texto caiu perfeitamente em uma discussão que estava tendo no meu Facebook, NerdProfeta. Era sobre o nome filme do IT e que alguns não consideram TERROR, mas eles esquecerem justamente disso… gêneros dentro dos filmes. Um filme não precisa ter 1000 mortes e sangue voando pela tela para ser filme de terror. Eu protejo que IT é sim um FILME DE TERROR. Alias, se tiver a oportunidade veja ele! Eu adorei! Excelente TEXTO! Parabéns NerdProfeta!

    • Vou ver sim, eu só vi o clássico até agora e quando era moleque ainda e me borrava de medo assistindo aquelas quase 4 horas do filme completo kk! Esse novo (um remake? rs) ainda não vi mas pretendo sim, parece que a primeira parte que é contada nesse filme né, quando os protagonistas ainda são crianças.
      Um belo texto sim do nosso querido amigo Nerd Esotérico!

    • Nerd Esotérico

      Olá, Ivo!

      Olha, encontrei o mesmo problema que você! Até comentei isso no artigo que fala sobre a decadência do gênero do terror no cinema. É uma grande tristeza! It – A Coisa é uma obra-prima do terror, pois mistura diversos elementos num filme só, desde a ambientação, fotografia, roteiro conciso, desenvolvimento pleno de todos os personagens importantes, etc. As pessoas estão associando filmes de terror apenas com aqueles que forçam sustos e jogam um balde de sangue falso na câmera.

      Obrigado pelo comentário e leitura!

  • Eu sou apaixonado pelo gênero horror. Posso dizer que assisti muita coisa nessa vida, mas sempre achei muito confuso na hora que o pessoal tenta enquadrar filmes nos sub-gêneros, principalmente porque na maior parte das vezes eles incluem outros sub-gêneros na mesma formula. No caso do citado “A Morte do Demônio” que tem gore, sobrenatural e trash.

    No final das contas o gênero horror é uma grande salada maléfica borbulhando sangue, HAHAHA!

    O meu gênero favorito é gore/trash, adoro ver aquele monte de sangue, pus e sei lá o que pulsando na tela, HAHAHA! Isso me lembra que a minha família ficava chocada com os filmes que assistia na adolescência. Hoje quando recordam disso em alguma reunião de família, costumam citar que eu assistia filmes doentes ¬¬

    Sem mais, ótimo artigo.

    • Nerd Esotérico

      Concordo com você, Diogo!

      Os filmes de terror, em geral, carregam vários subgêneros, até outros gêneros, como suspense ou fantasia (caso de O Silêncio dos Inocentes e Eraserhead, respectivamente). Usei alguns filmes como exemplo a partir de características bem marcantes da produção, algo que está em voga a todo momento. Mas, de fato, não dá para definir apenas um subgênero.

      Como disse, amo filmes de terror psicológico. Gosto da imersão. Gosto de fazer parte daquilo. Como sou um grande amante da leitura, também, acabo caindo nesse desejo de imersão até nos filmes, haha!

      Agradeço imensamente pela leitura e feedback! Muita paz e muitos, muitos filmes de terror, com direito a muito sangue!

    • hahaha é verdade lembro que você tinha me contato que curte gore! E com certeza muitos filmes bebem de diversos subgêneros e assim, ás vezes dá certo e outras vezes não, vai depender muito do enredo ali. Já assisti alguns gore no passado, hoje acho que já não tenho estômago rsrs

  • Ótimo artigo! Não sabia que os filmes de terror se dividiam tanto assim em seus gêneros! Antigamente assisti muitos slashers e sobrenaturais. Hoje, meu gênero favorito também é o psicológico e acho difícil eles revitalizarem o estilo slasher, acho que já tá muito batido e o máximo que fazem é remakes ou reboots de qualidade duvidosa assim como os teen’s da vida (esse passo longe assim como gore que nunca tive estômago para assistir). Thriller é bom dependendo do enredo contado.